Descubra o que nomofobia

O celular pode ter muitas utilidades. Das mais simples, como despertador, até todas as funções de um computador. O medo de perder o aparelho móvel pode ser uma doença, conhecida como nomofobia.


Eles encurtam as distâncias e facilitam o dia-a-dia com suas funções. A estudante de São Carlos(SP), Milena Fernandes tem 18 anos e disse que já passou metade da vida grudada ao aparelho. “Eu fico doente sem o celular, é direto, eu não consigo ficar sem não. A hora que eu tiver acordada eu estou usando”.


A estudante contou que fica em desespero quando percebe que está sem o fiel companheiro. “Se eu estiver fazendo a lição aí eu não preciso dele. Mas se eu quero saber que horas são e se não vejo onde está o celular, já entro em desespero”.


Uma pesquisa, feita por uma empresa fabricante de celulares, revelou que 20% dos brasileiros afirmam que preferem perder a bolsa, ou a carteira, a perder o telefone.

Nomofobia
A psicóloga Graziela Vanni disse que a síndrome de nomofobia causa ansiedade, pânico, impotência, angústia, que surge quando alguém se sente impossibilitado de se comunicar por estar sem o aparelho.


“Estamos em uma sociedade robótica em que devemos fazer muitas coisas ao mesmo tempo. Uma parte da população acha que, se não estiver conectada, perde alguma coisa”, explicou a psicóloga.


Como ficar sem celular? 
Segundo a especialista, algumas dicas podem ajudar a diminuir o medo de ficar sem celular. Por exemplo, salvar todos os contatos da agenda do celular no computador ou em uma agenda de telefones.


Sempre avisar aos familiares outros números de telefone, ou de um amigo que vai estar no mesmo lugar, por exemplo, para ser localizado caso a bateria do celular acabe. A psicóloga disse ainda que é importante também tentar desligar o celular nos dias de folga, para tentar ficar menos dependente do aparelho.