(84) 3082-1871 / 3222-8231 / 3201-3807

Ter ou não ter animal de estimação?

Você já parou para pensar na expressão “animal de estimação”? Ela significa que um animal tem um valor afetivo muito grande para seu dono. E essa pode ser a explicação do desejo  enorme das crianças de ter um animal de estimação: afinal, criança e afeto combinam muito.
 
Não é muito cedo que surge essa ideia para elas. Costuma aparecer lá pelos quatro anos, mas antes disso nós pensamos por elas, não é verdade? Quem resiste à expressão de alegria que uma criança menor mostra quando tem a chance de se relacionar com um animal treinado para isso?
 
É pintinho, tartaruga, peixe, coelho etc. As crianças se entusiasmam muito quando têm a chance de pegar qualquer um deles, ver de perto, conhecer pelo tato. E o convívio regular com um desses animais pode ensinar muito para a criança: ela pode começar a aprender o valor da vida e, consequentemente, dos cuidados que é preciso ter com ela; pode compartilhar com seu bicho momentos de tristeza e/ou alegria, dar e receber carinho e muito mais. Até a respeito da morte a criança pode aprender pela experiência ao conviver com um animal de estimação.
 
Mas é preciso ter muita clareza de que a criança não tem ainda condição de ser dona de um animal, ou seja, de arcar com os cuidados necessários com ele. São os pais que terão de fazer isso: alimentar, limpar, ensinar a conviver com a família. E além de cuidar do animal, terão também de zelar pelo relacionamento da criança com ele.
 
É que os bem pequenos ainda não têm ideia de que podem causar sofrimento ao animal, por isso têm, muitas vezes, comportamentos que chamamos de “cruéis “. Não é crueldade: é falta de senso da realidade.
 
Seu filho pode aprender muito caso tenha um animal de estimação. Mas o primeiro passo para que isso aconteça é que você queira ter também e aceite, de largada, todo o trabalho que terá com o filho, o animal e o relacionamento entre eles.
 
Caso você não esteja preparada para isso, não se preocupe: seu filho aprenderá tudo mesmo sem ter o animal. Sempre há muitos caminhos diferentes para se chegar ao mesmo lugar, não é verdade?
 
Ter ou não ter um animal de estimação é apenas uma escolha.


Por Rosely Saião