(84) 3082-1871 / 3222-8231 / 3201-3807

Cólicas

Chega o final da tarde e alguns bebês começam a apresentar irritação, choro intenso, barriguinha endurecida, flexão das perninhas sobre o abdome, eliminação de gases, e nada o acalma por até 3 horas. Estes sintomas sugerem dor que, na maioria das vezes, é causada por cólicas e apenas em 5% dos casos pode sugerir algum outro diagnóstico como refluxo, alergia alimentar ou infecção do trato urinário. Muitos palpites surgirão, mas o melhor será ouvir o médico e deixar que ele oriente sobre a conduta a seguir.

São só 3 meses

As cólicas têm dia para começar e para terminar. Surgem após a segunda semana de vida, ficam mais freqüentes entre 4 e 6 semanas e, geralmente, desaparecem por volta dos 3 a 4 meses do bebê. Elas também não são contínuas e se alternam com momentos de sono e total tranqüilidade. Aproveite para descansar e estará mais tranqüila na hora do próximo "showzinho".

Por que ocorrem?

São numerosos os estudos tentando compreender a causa do acúmulo de gases nos bebês que levam às cólicas. Aparentemente o fator mais importante é a imaturidade do sistema digestivo da criança, podendo associar-se a maior deglutição de ar nas mamadas, técnica inadequada para arrotar, alergia alimentar entre outros. A grande ansiedade dos pais e familiares parece intensificar os sintomas.

Dá para evitar?

Numerosas são as propostas vindas de médicos e familiares, mas nada é ainda muito conclusivo. O mais importante é observação e bom senso. Algumas intervenções dietéticas para a mãe parecem ser favoráveis como a exclusão de leite de vaca, chocolates e sucos e frutas ácidas. Mas, se não ocorrerem resultados satisfatórios na primeira semana, a dieta anterior deve ser retornada. A redução de estímulos nos bebês com cólicas, parece reduzir sua freqüência e intensidade. A utilização de chás é desaconselhada pelo grande risco de interferência na amamentação. A administração de medicamentos é decisão do pediatra mas, em geral, apenas a dimeticona é recomendada pela sua capacidade de ajudar na eliminação dos gases.

E na hora do choro?

Afaste os mais ansiosos e segure seu filho com carinho em ambiente com luz suave, música tranqüila e pense: vai passar.

Veja se ele se beneficia com condutas como:
→ compressa morna no abdome
→ massagem na barriga com movimentos circulares e lentos
→ posição de bruços sobre suas pernas
→ flexão das pernas sobre o abdome

Não esqueça que não existe remédio ou terapia milagrosa e seguir orientações de pessoas desautorizadas pode levar a danos à saúde de seu bebê.