(84) 3082-1871 / 3222-8231 / 3201-3807

Amamentação

Porque amamentar?

O leite materno contém todas as proteínas, açúcar, gordura, vitaminas e água que o seu bebê necessita para ser saudável. Além disso, contém determinados elementos que o leite em pó não consegue incorporar, tais como anticorpos e glóbulos brancos. É por isso que o leite materno protege o bebê de certas doenças e infecções como: otites, diarréia, alergias, pneumonias. A mamãe também recebe grandes benefícios com a amamentação, pois, alem do grande prazer em alimentar seu filho, ainda usufrui de benefícios como: redução da perda de sangue que se segue ao parto, retorno mais rápido do útero ao tamanho normal, proteção futura contra o câncer de mama.

Posição para amamentar

Devemos lembrar que a amamentação deve ser um momento de prazer para a mamãe e o bebê e que este ato de amor vai se repetir inúmeras vezes ao dia ao longo de muitos Por esta razão, a posição de amamentação é extremamente importante e deve ser bem planejado com a escolha de uma poltrona confortável, local tranqüilo e arejado, travesseiros para apoio do bebê e costas da mamãe.

Para posicionar a criança no peito, siga as seguintes orientações:
→ O bebê deve estar de frente para a mamãe, barriga com barriga
→ A cabeça do bebê deve repousar no antebraço da mamãe
→ O bebê deve ser capaz de alcançar o peito facilmente sem esticar o pescoço
→ A mãe aproxima o bebê do peito e não o peito do bebê
→ Estimule a abertura da boca roçando o mamilo nos lábios do bebê
→ Espere que o bebê abra a boca e rapidamente aproxime a mama para que ele possa abocanhar a maior parte da aréola mamária
→ Não há necessidade de se preocupar com as narinas do bebê, afastando-as da mama. Se quizer segurar o seio, use o polegar e o indicador como se fosse a letra "C". Segurar a mama com o dedo indicador e médio (em "V") pode até ser prejudicial, pois, dependedo da pressão exercida pelo dedo indicador, o fluxo de leite poderá ser interrompido nesta região.

Sinais de uma pega correta:
→ a boca do bebê está bem aberta e tem uma grande porção de mama em seu interior ( amamentar é dar o peito e não apenas o mamilo)
→ se existir aréola visível, será acima do lábio superior e não inferior
→ o lábio inferior está enrolado para trás
→ o queixo toca a mama

Tempo de mamada

O tempo que o bebê demora em cada mamada é muito variável e não se devem estabelecer regras fixas. Varia de mamada para mamada e depende muito da idade do bebê. O ideal é que a mamada dure até que seja o bebê quem se solte espontaneamente do peito. Os bebês amamentados regulam-se a si mesmos: mamam o que necessitam em cada refeição.

Intervalo entre mamadas

É extremamente variável, sendo mais freqüente nas primeiras semanas quando o bebê costuma mamar a intervalos menores que 2 horas, não fazendo diferença entre o dia e a noite. Em torno do terceiro mês, os horários vão se organizando e o bebê fica mais acordado durante o dia, mamando com intervalos em torno de 3 horas, podendo ser maiores que 6 horas, particularmente no horário noturno.

Higiene dos mamilos

Hoje, recomenda-se que os mamilos sejam lavados apenas com água, no momento do banho habitual e que nenhuma pomada seja aplicada. Os problemas que habitualmente ocorrem nos mamilos, não têm relação com os cuidados com o mesmo, mas sim com técnica errada na amamentação. Caso ocorram, a melhor conduta é passar o próprio leite da mãe sobre o mamilo (pois o leite ajudará na cicatrização sem prejudicar o bebê) e procurar orientação com seu médico sobre como ajudar o bebê na pegada correta da mama.

Em cada mamada, deve mamar nos dois peitos ou apenas em um?

A composição do leite é diferente no início e no final da mamada. O leite do início a mamada é mais aguado e contém a maior parte das proteínas e açúcares. Este leite inicial serve para saciar a sede do bebê. Á medida que mama, o leite vai-se tornando progressivamente mais gorduroso. O leite do final da mamada é mais rico em gordura e por isso tem mais calorias ("engorda" mais do que o leite inicial) e dá mais saciedade à criança. O bebê necessita tanto do leite inicial como do leite final. Por esta razão, é importante deixar que o ele mame completamente o primeiro peito antes de oferecer-lhe o segundo. Espere até que o bebê se solte espontaneamente da mama. Só depois deve oferecer o outro peito. Algumas vezes pode aceitá-lo, outras vezes já estará saciado e não quererá mais. Na mamada seguinte, deve começar por oferecer ao bebê a mama que ficou mais cheia (aquela que antes tinha oferecido em segundo lugar e na qual o bebê mamou menos tempo).

É certo acordar o bebê para mamar?

Não, o bebê faz naturalmente o seu horário. Normalmente, ele mama de 3 em 3 horas, mas isso não é uma regra. No primeiros dias ele mama mais e aos poucos vai regulando seus horários. Se o bebê sentir fome, ele mesmo irá acordar, mesmo que seja durante a madrugada. É prudente acordar o bebê nas primeiras semanas de vida, se ele estiver sem mamar há mais de quatro horas ou estiver com dificuldade em ganhar peso. Siga as orientações do pediatra.

Colostro e leite maduro

O leite materno tem composição altamente específica para o seu bebê, variando para adequar-se ao grau de maturidade do recém-nascido e as necessidades de crescimento e desenvolvimento da criança maior. Nos primeiros dias pós-parto as glândulas mamáreas produzem o colostro, um líquido mais espesso, com coloração amarelada devido ao seu elevado teor de beta-caroteno e de efeito laxante (amolece as fezes), ajudando na eliminação do mecônio (primeiras fezes de cor bem escura). O volume de colostro produzido oscila entre 2 e 20 ml por mamada nos três primeiros dias, sendo muito rico em fatores de defesa, particularmente imunoglobulinas e leucócitos, elementos de capital importância na proteção do recém-nascido. A duração do período de colostro não é bem definida, existindo grandes variações individuais. Considera-se como colostro, numa tentativa de uniformização, a produção láctea do primeiro ao quinto dias pós-parto. A partir daí, ocorrem modificações graduais em sua composição e passa a ser chamado "leite de transição", até chegar ao leite maduro em torno do 15 dias de vida, que é definitivo.

Leite fraco

O leite materno maduro parece mais fluido que o leite de vaca, principalmente no inicio da mamada (leite anterior), o que faz com que muitas mães pensem que seu leite é fraco. Não existe leite fraco! É importante esclarecer que, apesar de sua aparência mais líquida ou aguada que o leite de vaca, o leite materno é um líquido rico em gordura, minerais, vitaminas, enzimas e imunoglobulinas que protegem contra doenças.Apesar de o leite maduro ser formado em 87% por água, os restantes 13% são uma poderosa combinação de elementos, fundamentais para o crescimento e desenvolvimento da criança.

Leite pouco

A grande maioria das mulheres pode produzir leite suficiente para seus filhos desde que receba o apoio e as informações técnicas necessárias para este fim. O mais importante para garantir uma boa produção de leite é a sucção freqüente e correta do peito, pois, desta forma, ocorre a estimulação de terminais nervosos que levam ao cérebro a informação de que mais leite precisa ser produzido. Também é importante o completo esvaziamento do peito, pois se a segunda mama é oferecida sem que a primeira tenha sido esvaziada, a mensagem que chegará ao cérebro é de que esta sobrando leite. Ambiente tranqüilo, mãe confiante, alimentação equilibrada e boa ingesta de água também contribuem para o sucesso da amamentação.

Complemento

Nunca dê mamadeira, ainda que seja apenas com seu próprio leite, leite artificial ou chazinhos. Se o uso de complemento for orientado temporariamente ou rotineiramente pelo pediatra, administre o leite prescrito com auxílio de copinho ou colherinha. Está comprovado que a mamadeira e o peito juntos causam o que chamamos "confusão de bicos". Não se deixe convencer por pessoas que juram que seus bebês não largaram o seio, mesmo com mamadeira. Essa não é a regra, o mais normal é o bebê desmamar rapidinho.

Fissuras nos Mamilos

Embora natural, o aleitamento materno não é intuitivo e depende de um lento aprendizado da mamãe e do bebê, que necessita ocorrer com bastante calma e perseverança. O acesso às informações durante o pré-natal é fator de sucesso na amamentação, pois dá à mãe o conhecimento antecipado das possíveis dificuldades, que poderão desta forma, ser evitadas ou minimizadas. Uma das grandes dificuldades na amamentação é o surgimento de fissuras nos mamilos, sempre acompanhadas de dor durante a sucção pela criança. Elas só ocorrem se houver alguma falha na técnica de amamenteção. As principais causas de fissura são:
→ Mau posicionamento e pega incorreta
→ Aréola distendida e endurecida
→ Pressão do dedo na aréola ao amamentar
→ Limpeza da aréola com sabonetes ou loções
→ Uso de óleos e cremes
→ Uso de desmamadeiras
→ Freio lingual curto
→ Monilíase (sapinho)

Portanto não há um preparo durante a gestação que possa prevenir estes problemas. O mais importante é garantir boa pega e posição correta desde o início e manter as mamas sempre macias, de modo a facilitar que o bebê abocanhe.

Alguns cuidados durante a gestação e amamentação podem ajudar como:
→ A boquinha do bebê deve pegar a aréola e não só o mamilo
→ A aréola deve estar macia. Com mamas cheias e duras,o bebê não faz uma boa pega e poderá provocar fissuras
→ Se necessitar interromper a mamada colocar o dedo mínimo no canto da boca do bebê. Ele soltará o bico sem machucá-lo.
→ Lavar as mamas apenas com água, durante o banho
→ Não usar sabonetes ou loções no mamilo
→ Não limpar os mamilos antes das mamadas
→ Aplicar pequena quantidade de leite materno antes e ao final da mamada se os mamilos estiverem doloridos ou fissurados
→ Expor as mamas ao ar
→ Expor durante 10 a 15 minutos as mamas ao sol (antes das 10 ou após as 16 horas) ou à luz ( a 30 cm de distância de uma luz de 40watts)
→ Procurar usar sutiãs para amamentação, bem confortáveis, de algodão e que não apertem as mamas.